Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Quinta Feira 29 de Fevereiro de 2024

Menu

Economia

Mato Grosso atinge 2,4% de taxa de desocupação, a 2ª menor do país, mostra levantamento do IBGE

A quantidade de pessoas desocupadas em Mato Grosso é de 45 mil pessoas

Geral | 03 de Janeiro de 2024 as 14h 19min
Fonte: O documento

Foto: Divulgação

Em mais um trimestre, Mato Grosso surge com uma das menores taxas de desemprego no país, com 2,4%. É a segunda menor do Brasil, atrás somente de Rondônia com 2,3%.

Para se ter ideia, no Brasil a taxa de desocupação é de 7,5%, uma das menores desde fevereiro de 2015. A quantidade de pessoas desocupadas em Mato Grosso é de 45 mil pessoas.

As informações são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), iniciada em 2012. Os dados foram divulgados pelo IBGE.

No país, a quantidade de desocupados chega a 8,2 milhões de brasileiros. Foi o menor contingente desde o trimestre móvel encerrado em abril de 2015, que foi de 8,15 milhões.

Em Mato Grosso, 1,8 milhão de pessoas estão ocupadas, sendo 911 mil apenas no setor privado e 224 mil empregadas no setor público. Outras 649 mil pessoas atuam na informalidade. Trabalham com carteira assinada no Estado, 717 mil pessoas.

Há ainda 162 mil pessoas subutilizadas na força de trabalho. São jovens acima de 14 anos que podem atuar com menor aprendiz, mulheres que se dedicaram a atuar em casa, dentre outros fatores.

“É a terceira queda consecutiva da taxa de desocupação e, no trimestre encerrado em novembro, essa retração segue o movimento do mesmo período nos anos anteriores, quando, de modo geral, há redução nesse indicador. Nesse trimestre, a queda é explicada pela expansão no número de pessoas ocupadas”, explica a coordenadora de Pesquisas por Amostra de Domicílios do IBGE, Adriana Beringuy.

A taxa de 7,5% é a menor para um trimestre encerrado em novembro desde 2014 (6,6%), ou seja, retoma a valores de quase dez anos atrás, quando a desocupação era bem mais baixa.