Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Quinta Feira 23 de Setembro de 2021

Geral

Mato Grosso adere ao Monitor de Secas e aprimora gestão de dados climáticos

A cooperação permitirá uma maior integração de informações técnicas, que atualmente são reunidas pela Sala de Situação e Eventos Hidrológicos Críticos da Sema-MT

Recursos hídricos | 11 de Agosto de 2021 as 11h 44min
Fonte: Lorena Bruschi - Sema-MT

Assinatura do Termo de Adesão ao Mapa de Secas em Brasília Foto: Assessoria Sema-MT

O Governo de Mato Grosso aderiu ao Programa Monitor de Secas, e integra oficialmente um mapa nacional que mostra a situação da seca no país. O Termo de Adesão foi assinado pela secretária de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), Mauren Lazzaretti, nesta terça-feira (10.08), junto à Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), em Brasília. 

A secretária conta que a cooperação permitirá uma maior integração de informações técnicas, que atualmente são reunidas pela Sala de Situação e Eventos Hidrológicos Críticos do órgão ambiental.

"A adesão ao programa é importantíssima para gerar dados. Uma boa gestão se faz conhecendo a real causa, e como esses dados podem ser transformados em ações concretas por parte do Governo do Estado. As informações também ficam disponíveis para a sociedade, que espera do setor público informações concretas, e é isso que o programa promove", explica.

O diretor da ANA, Vitor de Almeida Saback, destaca que os dados são relevantes também para uso da Defesa Civil. "O instrumento monitor de secas é muito importante para que o Estado possa fazer a gestão das secas. Para que o monitoramento real, efetivo, possa chegar nas mãos da Defesa Civil. Não é um instrumento de previsão, mas coloca de modo real a situação dos meses e anos anteriores".

A cooperação traz mais um instrumento de colaboração entre os governos estaduais e federal, e impacta no trabalho que é desempenhado para o combate aos incêndios florestais, avalia o senador Wellington Fagundes. "Neste ano está prevista uma seca muito grande, provavelmente não teremos tanta queimada, mas teremos a falta d'água. Por isso a gente tem que fazer um trabalho permanente de vigilância e parceria". 

Com a entrada de Mato Grosso, o Monitor de Secas passa a cobrir integralmente 4 das 5 regiões: Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste, Sul. Com isso, já são 21 unidades da Federação participantes, faltando a adesão de apenas 6 estados ao Programa: Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia e Roraima.

O mapa da seca está disponível no site: http://monitordesecas.ana.gov.br/mapa.