Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Domingo 14 de Julho de 2024

Menu

Transferência

Justiça manda transferir filho de ex-deputado que assassinou casal para presídio em Cuiabá

Carlos Alberto Gomes Bezerra sob a acusação de premeditar e assassinar a ex-mulher dele e o namorado dela, em janeiro do ano passado

Geral | 21 de Junho de 2024 as 16h 09min
Fonte: Redação G1-MT

Foto: Divulgação

A Juíza da 1ª Vara de Violência Doméstica de Cuiabá, Ana Graziela Vaz de Campos, autorizou a transferência de Carlos Alberto Gomes Bezerra, de 58 anos, que está preso na penitenciária Ahmenon Lemos Dantas, em Várzea Grande, para a Penitenciária Central do Estado (PCE), em Cuiabá.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado (Sesp-MT) também confirmou a decisão. A data da transferência não foi divulgada porque o caso corre em segredo de justiça.

Carlos está preso sob a acusação de premeditar e assassinar a ex-mulher dele, Thays Machado, de 44 anos, e do namorado dela, Willian César Moreno, de 30 anos, em janeiro de 2023.

 

Relembre o caso

Thays e Willian foram assassinados em janeiro de 2023, em Cuiabá, no Bairro Alvorada. Na manhã anterior ao crime, Thays teria feito um boletim de ocorrência contra o principal suspeito, o ex- namorado Carlos Alberto Gomes Bezerra, que é filho do deputado federal por Mato Grosso Carlos Bezerra (MDB).

O crime aconteceu quando ela estava no prédio para devolver o carro que havia emprestado da mãe para buscar o namorado no aeroporto. Câmeras de segurança registraram as vítimas caminhando juntas momentos antes de serem assassinadas.

A polícia descobriu que Thays Machado era monitorada pelo ex-namorado por meio de uma ‘central de controle’, com informações detalhadas do dia a dia da vítima. Na casa do investigado, foram encontrados 71 prints de localizações dos lugares que a mulher frequentava. Carlos fazia o download no celular dele e, depois, imprimia a geolocalização. O investigado instalou os programas quando ainda se relacionava com a vítima.

Os investigadores encontraram ainda um caderno onde tinha as anotações com datas e locais que os aparelhos foram instalados. Assim, ele poderia saber até quanto tempo de bateria duraria os aparelhos de monitoramento.