Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Terça Feira 19 de Outubro de 2021

Geral

Indicação de Mirko para STF traria reconhecimento para MT, diz presidente da Amam

Juiz de MT atua na comarca de Sinop e foi apontado pela Anamages

| 28 de Abril de 2021 as 18h 26min
Fonte: MT Noticias

O presidente da Associação Mato-Grossense dos Magistrados (Amam), juiz Tiago Abreu, diz que recebeu com satisfação e orgulho o apontamento do nome do colega de magistratura, Mirko Vincenzo Giannote para indicação de composição dos quadros do Supremo Tribunal Federal (STF). 

 

Mirko Giannote, atua pela comarca de Sinop (540 km de Cuiabá) e teve seu nome elencado pela Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (Anamages) como viável para ocupar a vaga de Marco Aurélio Mello. A possibilidade, de acordo com o presidente da Amam, celebraria um grande reconhecimento para Mato Grosso. 

 

“Sem demérito a nenhuma das outras áreas, mas a Justiça Estadual tem uma grande representatividade e está inserida em quase todos os municípios do país. E para nós, ver um colega aqui de Mato Grosso podendo alçar esse posto, é muito importante. Fazemos votos para que isso se concretize”, avaliou. 

 

O presidente da Amam lembrou ainda que o atual presidente do STF, ministro Luiz Fux, também é oriundo da justiça estadual. Ele atuou pelo Tribunal de Justiça do Rio Janeiro por quase duas décadas. “O ministro Fux está fazendo uma carreira brilhante e também veio da magistratura estadual”, ponderou. 

 

Vaga

 

A vaga que ficará em aberto é a do ministro Marco Aurélio Mello, que deverá se aposentar no dia 5 de julho. A indicação para a substituição, cabe ao presidente da República, Jair Bolsonaro. O Senado Federal deverá fazer a aprovação após a sabatina. 

 

Entre os nomes mais cotados, até o momento, o atual advogado-geral da União, André Mendonça, Augusto Aras, da Procuradoria-Geral da República, o desembargador Willian Douglas, do Tribunal Regional Federal da 2 Região e o juiz de Mato Grosso, Mirko Giannote.