Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Terça Feira 23 de Julho de 2024

Menu

Pantanal

Incêndios disparam mais de 1000% e bacia do rio Paraguai tem seca recorde

Em 2024, o Pantanal já tem o 2º maior índice de incêndios desde 2010, atrás apenas de 2020, quando o fogo consumiu 26% do bioma. Maior parte das chamas se concentra no Mato Grosso do Sul

Geral | 09 de Junho de 2024 as 11h 00min
Fonte: José Câmara, G1-MS

Fogo se espalha durante incêndio no Pantanal, em Corumbá (MS), em 2 de junho de 2024 Foto: Guilherme Giovanni – Reprodução

No decorrer do ano, o Pantanal atravessa dois períodos: o do fogo e o da água. Neste ano, a temporada das chamas, que começaria em julho, chegou mais cedo e com força: em Mato Grosso do Sul e no Mato Grosso, os focos de incêndio nos seis primeiros meses de 2024 aumentaram 1025% se comparados ao mesmo período de 2023. Enquanto isso, o rio Paraguai, que é principal bacia do bioma, já registra seca recorde: está mais de 2 metros abaixo da média.

Em Mato Grosso do Sul (onde está 60% do Pantanal no Brasil) foram registrados 698 focos, entre janeiro e junho de 2024. No ano passado, foram 62 no mesmo período. Em Mato Grosso (onde fica 40% do bioma), foram 495 focos de incêndio em 2024, contra 44 em 2023. Somando os números dos dois estados, foram:

🔥 2024: 1193 focos de incêndio entre 1º de janeiro e 7 de junho;

🔥 2023: 106 focos de incêndio entre 1º de janeiro e 7 de junho.

Os dados são do Programa de BDQueimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e também revelam que, em 2024, o Pantanal já tem o 2º maior índice de incêndios desde 2010, atrás apenas de 2020, quando o fogo consumiu cerca de 4 milhões de hectares -- o equivalente a cerca de 26% do bioma.

Pantanal: incêndios de 2024 têm 2º pior índice nos últimos 15 anos

Números de 2024 só são menores do que os registrados em 2020, quando o fogo consumiu cerca de 26% do bioma. (veja o gráfico abaixo):

Fonte: BDQueimadas/Inpe

 

Especialistas explicam que o período das chamas no Pantanal, que seria entre os meses de julho e agosto, pode durar até seis meses. Porém, neste ano, o fogo chegou mais cedo, e a seca também.

Em Corumbá, uma das principais cidades do Pantanal sul-mato-grossense, praticamente não chove há mais de 50 dias, de acordo com meteorologistas da região. Com os incêndios florestais e a baixa umidade do ar, uma densa fumaça se concentra sobre a cidade.

Na última semana, devido ao risco da aproximação do fogo e pela forte nuvem de fumaça que cercava o local, crianças tiveram que ser evacuadas de uma escola ribeirinha do município, e as aulas foram suspensas por 10 dias.

Fogo se espalha pelo Pantanal de Mato Grosso do Sul. — Foto: CBMMS/Reprodução

O Corpo de Bombeiros, que deflagrou a Operação Pantanal desde abril, afirmou no último dia 4 que equipes conseguiram conter o fogo em três parques estaduais na região: Pantanal do Rio Negro (Pantanal); Nascentes do Taquari (Cerrado); e Várzeas do Rio Ivinhema (Mata Atlântica).

Uma aeronave do governo do estado é usada para identificar e direcionar o combate às chamas.

Rio Paraguai com seca recorde

Rio Paraguai é a principal bacia do Pantanal — Foto: TV Morena/Reprodução

A falta de chuva tem afetado a principal bacia do bioma, o Rio Paraguai, que abrange 48% do estado do Mato Grosso e 52% do Mato Grosso do Sul.

Segundo levantamentos do Serviço Geológico do Brasil (SGB), o nível do rio em Ladário - cidade vizinha à Corumbá - tem registrado quedas ou estabilidade na medição há cerca de um mês.

O órgão aponta que, para este período, a média histórica do nível do rio em Ladário era de 3,85 metros. Na última sexta (7), a régua de Ladário marcava 1,38 cm. Ou seja, o rio Paraguai estava 2 metros e 47 cm abaixo do esperado.

Confira o gráfico abaixo:

O pesquisador em Geociências da SGB Marcus Suassuna explica que o nível baixo do rio se dá pelo prolongamento do período seco de 2023 e também pelas poucas chuvas em 2024.

“O que está acontecendo hoje é resultado de um processo que começou no final de 2023. Ano passado, o El Niño forte fez com que o final do período seco se prolongasse. No começo deste ano, os níveis estavam muito baixos, e a estação chuvosa foi toda muito fraca. Não estamos numa situação de escassez, o que está acontecendo é a antecipação, considerável, de um problema mais grave que pode ocorrer de seca entre setembro e outubro.”

O Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima de Mato Grosso do Sul (Cemtec-MS) apresentou um balanço relacionado ao acumulado das chuvas no estado, durante maio deste ano. O panorama não foi nada animador.

A pasta vinculada à Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Semadesc) observou que o cenário de chuvas está muito abaixo da média histórica, com valores de precipitações acumuladas entre 0 e 30 milímetros.

Na análise do número de dias com chuvas abaixo de 1 mm, foi constatado que grande parte dos municípios apresentaram mais de 25 dias sem ocorrência de chuvas ao longo de maio. As previsões para junho seguem na mesma esteira de seca e umidade baixa, o que expõe o solo facilmente ao fogo.

Situação crítica de escassez, alerta órgão

Em 13 de maio deste ano, a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) declarou “situação crítica de escassez” na bacia do rio Paraguai. A decisão, válida até outubro, foi embasada diante do cenário crítico e da queda drástica do nível d’água do rio, por toda extensão.

O comunicado da ANA apontou que “o nível d’água do rio Paraguai em abril de deste ano atingiu o pior valor histórico observado em algumas estações de monitoramento ao longo de sua calha principal, sendo que o cenário de escassez ocorre desde o início deste ano na Região Hidrográfica do Paraguai”.

Além das perdas para o meio ambiente, a escassez do rio já afeta outros setores da sociedade. A ANA elencou os problemas ocasionados com o baixo nível:

  • Impactos aos usos da água, sobretudo em captações para abastecimento de água – especialmente em Cuiabá (MT) e Corumbá (MS);
  • Impedimento na navegação;
  • Baixos aproveitamentos hidrelétricos a fio d’água (neles, as vazões que chegam são praticamente iguais às que saem dos reservatórios);
  • Complicação para atividades de pesca, turismo e lazer.

A resolução da ANA sobre a escassez no rio Paraguai tem vigência até 31 de outubro, quando está previsto o fim do período seco na bacia, mas a medida pode ser prorrogada.

Incêndios de 2024 acumulam piores números desde 2020

O WWF (World Wildlife Fund) levantou um alerta para a escalada no número de focos de incêndio neste ano. Segundo a ONG, os dados de 2024 são os piores desde 2020, quando o Pantanal sofreu com o maior período de incêndio já registrado.

De acordo com o monitoramento feito pelo Inpe, 2020 foi o ano que teve mais registros de fogo no Pantanal desde o fim da década de 1990.

Um estudo realizado por 30 pesquisadores de órgãos públicos, universidades e ONGs estimou que, naquele ano, ao menos, 17 milhões de animais vertebrados morreram em consequência direta das queimadas no Pantanal.

“Em 2020, tivemos aquele fogo catastrófico e as análises atuais mostram que os números de 2024 estão muito parecidos com os que tínhamos naquele ano. Felizmente, todos os setores e a sociedade pantaneira estão alertas porque têm consciência de que, se nada for feito, há possibilidade da repetição de grandes incêndios. É preciso atuar rapidamente reforçando as brigadas e contando com o apoio das comunidades locais para evitar uma catástrofe”, diz Cyntia Santos, analista de conservação do WWF-Brasil

Emergência ambiental

Mato Grosso do Sul e Mato Grosso já estão em situação de seca, segundo apontou relatório da ANA. Desde abril deste ano, a União incluiu o Pantanal em risco ambiental.

Pela portaria, consta que há declaração de emergência de março a outubro para as regiões centro-norte e leste de Mato Grosso do Sul; de maio a dezembro, para o Pantanal e no sudoeste do estado.

Também em abril, o governo de Mato Grosso do Sul assinou decreto de "Estado de Emergência Ambiental". A medida foi tomada levando em consideração as mudanças climáticas que afetam todo o mundo e para precaver a temporada de queimadas no estado neste ano.

Com o decreto, foram definidas as seguintes medidas:

  • Apenas o Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) é licenciado a realizar queima controlada. Antes, a medida era realizada por ONGs, fazendeiros e até mesmo moradores tradicionais nas regiões de Cerrado e Pantanal;
  • A atividade de queima prescrita preventiva deverá seguir as rotinas estabelecidas pelo Centro Integrado de Coordenação Estadual;
  • Em razão da emergência, fica autorizada a adoção de medidas visando à contratação, por prazo determinado, de pessoal para atendimento de necessidade temporária de excepcional interesse público.

No mesmo mês, os governos de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e governo federal assinaram um termo de cooperação e defesa, proteção e desenvolvimento sustentável do Pantanal.

Na ocasião, a ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, sugeriu que o próximo passo seria elaborar um pacto pelo Pantanal. “Além dos governadores, envolvendo também os prefeitos, como a gente já fez com a Amazônia”.

O desmatamento no Pantanal, cuja trajetória é marcada por altos e baixos, teve queda de 9% entre agosto de 2022 e julho de 2023, segundo o último relatório anual do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes). Na Amazônia, a redução foi bem maior, de 21%.