Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Domingo 03 de Março de 2024

Menu

Acusado de corrupção

Imagens mostram prefeito de cidade em MT contando dinheiro de suposta propina

Manoel Loureiro Neto, de Diamantino, é acusado de exigir dinheiro de dono de construtora na cidade

Geral | 18 de Agosto de 2023 as 06h 50min
Fonte: Mídia News

Foto: Reprodução

Imagens em poder da Justiça mostram o prefeito de Dimantino, Manoel Loureiro Neto (MDB), contando dinheiro que seria proveniente de propina.

O prefeito passou a exigir do empresário o pagamento de propina como condição à liberação dos pagamentos das notas emitidas por sua empresa

O registro consta nas investigações que embasaram uma operação deflagrada nesta semana pelo Ministério Público Estadual (MPE) contra o prefeito.

Conforme as investigações, por diversas vezes, valendo-se do cargo de prefeito, Manoel teria exigido pagamentos de propina do empresário Alessandro Souza de Carvalho, da construtora Monte Alto Ltda, como condição para a autorização e liberação dos valores devidos pelo Município.

Conforme o MPE, foi o empresário quem compareceu à sede do Ministério Público em Diamantino para relatar a cobrança de propina, que seria de 10% sobre o montante pago.

 No depoimento, o empresário narrou que sua empresa foi vencedora de três licitações realizadas pela Prefeitura de Diamantino. E que a cobrança de propina teria começado em 2022.

 “O atual Prefeito de Diamantino, a quem conhece há mais de 30 (trinta) anos, passou a exigir do empresário o pagamento de propina como condição à liberação dos pagamentos das notas emitidas por sua empresa, atuando de modo a agilizar os pagamentos em favor daquela, com objetivo único e exclusivo de obter do particular o pagamento de vantagem indevida”, diz o MPE.

 

Entrega em dinheiro

  O empresário afirmou ainda que os valores exigidos eram entregues em espécie ao prefeito ou ao seu motorista, Fernando Tenório, “pessoa de confiança do prefeito que ficava encarregado de arrecadar a propina na ausência do seu chefe”.

  Alessandro destacou que as exigências se agravaram em meados de 2022, quando o prefeito teria insinuado que os procedimentos licitatórios vencidos pela empresa continham irregularidades.

  Para corroborar suas declarações, ele apresentou ao MPE conversas extraídas do aplicativo de mensagens WhatsApp; arquivos de áudios em que são ajustados dias e horários para o recebimento dos montantes exigidos; vídeo em que o prefeito confere o dinheiro e vídeo em que uma quantia é entregue nas mãos de Fernando Tenório, que se compromete a repassar ao prefeito.

 "Os elementos apresentados revelam que, sempre que uma nota de empenho era paga em favor da empresa Construtora Monte Alto Ltda, o prefeito noticiava ao empresário e, concomitantemente, informava a sua localização ou ajustava um lugar para se encontrarem e receber o montante exigido, a que ele por vezes se referia como 'documento'", aponta o MPE.

Com base no pedido do Naco, no último dia 8 de agosto o desembargador Rondon Bassil Dower Filho determinou mandados de busca pessoal, domiciliar e veicular, além da quebra de sigilo bancário tanto do prefeito quanto de seu motorista. As medidas foram cumpridas no dia 15.

 O caso estava sob sigilo, que foi levantado pelo desembargador.