Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Terça Feira 16 de Abril de 2024

Menu

Melhorias

Governo federal vai voltar a negociar Projeto de Lei para motociclistas de aplicativos

O governo federal vai retomar as discussões acerca dos direitos para motociclistas de aplicativo, anunciou o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho (PT). O projeto busca regulamentar a classe de trabalhadores, similar ao que foi proposto para motor

Geral | 21 de Março de 2024 as 07h 13min
Fonte: Igor Almenara Carneiro - Tecmundo

Foto: Imagem: GettyImages

A negociação não começou tão bem, e as plataformas foram resistentes às propostas. "Inicialmente, as empresas de plataformas de entrega de mercadorias também concordaram com os conceitos, mas, na hora em que chegou na valorização desses conceitos, as plataformas de entrega acabaram praticamente rompendo esse processo de negociação", pontuou Marinho.

"Então, não é culpa do governo, da bancada de trabalhadores. Responsabilizo integralmente as empresas de plataforma de entregas, elas precisam voltar à mesa", continuou.

Até o momento, o governo federal não revelou o texto da proposta, mas o projeto de lei não deve ser muito diferente do que foi pautado para motoristas de aplicativo. O PL voltado para a categoria de parceiros da Uber e da 99 inclui jornada mínima, remuneração base e contribuição no INSS de 27,5% e outras normas.

 

Governo quer voltar a negociar Lei de Motociclistas de Aplicativo

Conforme revelou o ministro, as negociações com as empresas vão voltar. "Vamos sim iniciar uma nova rodada de conversa com as empresas, vamos chamar, vamos fraquear essa possibilidade. Para ver se é tão real quanto eles têm falado que topam negociar", disse Marinho.

Vale ressaltar que Marinho não vê o modelo do iFood e do Mercado Livre com bons olhos. Em cerimônia realizada em 4 de março, o ministro pontuou que as plataformas adotam estratégia "altamente exploradora".

Uma vez elaborado pelo governo, o projeto de lei precisa passar pelo legislativo — portanto, é um processo demorado. Tanto na Câmara de Deputados quanto no Senado, o texto pode passar por modificações e revisões.