Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Terça Feira 23 de Julho de 2024

Menu

Operação

Golpistas da OLX que movimentaram R$ 5,5 milhões são alvos de operação da PC em Cuiabá e Várzea Grande

Foram cumpridas nove ordens judiciais, entre buscas, prisões, sequestro de contas bancárias e arresto de bens móveis

Geral | 10 de Abril de 2024 as 13h 23min
Fonte: O documento

Foto: Divulgação

Nove ordens judiciais foram cumpridas pela Polícia Civil, nesta quarta-feira (10), em Cuiabá e Várzea Grande, durante ação da Delegacia Especializada de Estelionato e Outras Fraudes, em apoio ao Grupo Especial de Investigações Criminais, da Polícia Civil de Goiás.

O trabalho operacional integrado teve como alvos suspeitos de praticarem estelionatos qualificados pela fraude eletrônica, na modalidade golpe do intermediário da OLX, contra vítimas residentes na cidade de Águas Lindas (GO).

Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão, dois mandados de prisão preventiva, além de outras medidas cautelares como sequestro de contas bancárias e arresto de bens móveis.

As investigações da Polícia Civil de Goiás, iniciaram em fevereiro de 2022, e identificado que em um dos crimes, o operador do perfil WhatsApp utilizado no golpe, possuía diversas condenações com trânsito em julgado, somando quase 30 anos de condenação.

Conforme informação do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), um dos operadores financeiros do esquema, entre 2022 a 2023, movimentou cerca de R$ 2,5 milhões, valor absolutamente desproporcional a renda mensal declarada.

No mês de julho de 2023, constatou-se que o perfil WhatsApp utilizado no golpe está vinculado em outras 21 ocorrências policiais, registradas nos Estados de Goiás e no Distrito Federal.

Ainda segundo indícios obtidos nas diligências, os operadores financeiros do esquema ostentam 20 ocorrências policiais, sendo que um deles, entre 2021 a 2023, movimentou a quantia de quase R$ 3 milhões.

Com base nas provas colhidas pelos policiais civis do Grupo Especial de Investigações Criminais (GEIC/17ª DRP), a Justiça decretou as ordens de prisões, buscas e medidas cautelares, em desfavor dos investigados de Mato Grosso.