Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 01 de Julho de 2022

Menu

Geral

Ex-gerente acusado de desviar 2,5 milhões da Caixa Econômica é preso pela PF em MT

Investigações apontaram que o suspeito criava contas falsas para simular empréstimos e movimentar o dinheiro entres diversas contas até chegar na própria conta dele

Operação Abusu Fiducia | 22 de Fevereiro de 2022 as 10h 20min
Fonte: Redação/Assessoria PF-MT

PF cumpriu dois mandados de busca e apreensão na casa do ex-gerente Foto: Polícia Federal

O ex-gerente de uma agência da Caixa Econômica Federal, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, foi preso na manhã desta terça-feira (22) durante a operação ‘Abusu Fiducia’, deflagrada pela Polícia Federal. As investigações apontaram que o suspeito desviou mais de R$ 2,5 milhões da unidade onde trabalhava.

Além da prisão, a PF cumpriu dois mandados de busca e apreensão na casa do ex-gerente e agora tentar recuperar o prejuízo causado aos cofres do banco.

De acordo com a polícia, os desvios ocorreram entre janeiro de 2020 e dezembro de 2021.

Os policiais constataram que o investigado criava contas bancárias falsas e incluía de outras pessoas em contas de empresas. Depois, ele simulava empréstimos e todo o dinheiro era movimentado entre diversas contas até chegar na própria conta bancária dele.

Após quase dois meses de investigação, a 5ª Vara Federal da Seção Judiciária de Mato Grosso expediu dois mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão temporária contra o suspeito. Também foi deferido o sequestro de bens móveis e imóveis.

As investigações, segundo a PF, terão continuidade para tentar identificar outros suspeitos envolvidos no esquema e localizar outros empréstimos bancários que possivelmente foram fraudados.

O nome da operação ‘Abusu Fiducia’ – abuso de confiança em latim – remete ao fato de que o ex-gerente utilizava o cargo de confiança para desviar dinheiro do banco para benefício próprio.