Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Terça Feira 23 de Julho de 2024

Menu

Geração de energia

Energia gerada por painel solar já equivale a 3 hidrelétricas de Itaipu no Brasil

Participação da fonte solar equivale a 18% da capacidade instalada da matriz elétrica brasileira

Geral | 26 de Abril de 2024 as 12h 28min
Fonte: Estadão

Foto: Divulgação

A fonte solar acaba de ultrapassar a marca de 42 gigawatts (GW) de potência instalada no Brasil, o que equivale à capacidade de três usinas hidrelétricas de Itaipu (14 GW), informou a Associação Brasileira de Energia Fotovoltaica (Absolar). Somente este ano, já foram adicionados mais 5 GW de energia solar na matriz elétrica brasileira.

A participação da fonte solar equivale hoje a 18% da capacidade instalada da matriz elétrica brasileira e a cerca de 10% da geração de energia. Pelos cálculos da Absolar, o setor fotovoltaico já evitou a emissão de 51,3 milhões de toneladas de CO2 na geração de eletricidade.

De acordo com a entidade, desde 2012, quando a fonte solar começou a crescer no país, foram investidos mais de R$ 199,3 bilhões e gerados cerca de 1,2 milhão de empregos verdes, garantindo mais de R$ 61,8 bilhões em arrecadação aos cofres públicos.

Na geração distribuída, o país já conta com 28,6 GW de potência instalada da fonte solar. Isso equivale a cerca de R$ 141,3 bilhões em investimentos, R$ 42,2 bilhões em arrecadação e mais de 860 mil empregos verdes acumulados desde 2012, espalhados pelas cinco regiões do Brasil, informa a Absolar.

Já no segmento de geração centralizada, as grandes usinas solares possuem mais de 13,4 GW de potência no país, com cerca de R$ 58 bilhões em investimentos acumulados e mais de 404 mil empregos verdes gerados desde 2012.

“Além de acelerar a descarbonização das atividades econômicas e ajudar no combate ao aquecimento global, a fonte solar tem papel cada vez mais estratégico para a competitividade dos setores produtivos, alívio no orçamento familiar, independência energética e prosperidade das nações”, diz Rodrigo Sauaia, presidente da Absolar.