Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Terça Feira 23 de Julho de 2024

Menu

Renegociação de dívidas

Empresa de investigado por desmate químico ganha ‘blindagem’ da justiça

Decisão antecipa blindagem de cobranças para a empresa renegociar dívidas mesmo sem uma recuperação judicial

Geral | 26 de Junho de 2024 as 16h 38min
Fonte: Redação

Foto: Divulgação

A empresa Comando Diesel Transportes e Logística obteve da justiça a antecipação do período de “blindagem” – intervalo em que não podem ser movidos processos de cobrança de dívidas. A decisão é do juiz da 4ª vara da civil de Rondonópolis, Renan Pereira do Nascimento. A Comando Diesel terá 60 dias de blindagem para renegociar uma dívida estimada em R$ 202 milhões.

A empresa que que atua no segmento de transportes pertence a Claudecy Oliveira Mendes, que é o pecuarista investigado por promover um desmate químico de 81 mil hectares na região do Pantanal, com uma substância utilizada na composição da arma química Agente Laranja. As investigações apontam que Claudecy consumiu mais de R$ 25 milhões para fazer o desmate químico.

Agora a sua empresa de logística acumula R$ 202 milhões em dívidas. Uma mediação entre a devedora e os credores está sendo feita por uma empresa especializada. Para avançar no processo, a Comando Diesel pediu a Justiça um “fôlego” de 60 dias, que seria a antecipação do período de blindagem. Nestes dois meses a empresa se compromete a encerrar a mediação e formular um pedido de recuperação judicial ou extrajudicial.

A “blindagem”, que suspende as cobranças das dívidas, é uma das fases do processo de recuperação judicial. O magistrado acatou o pedido de antecipação por entender que o dispositivo pode colaborar com o saneamento financeiro da empresa. “É imperiosa a adoção de todas as medidas possíveis para se criar um recinto promissor à mediação, onde a devedora e os seus credores possam atual da forma mais isonômica possível”, pontuou o magistrado.