Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Quarta Feira 18 de Maio de 2022

Menu

Geral

Empresa de delator vai continuar com restaurante da UFMT Sinop

Nova licitação prevê o fornecimento de 299 mil refeições

R$ 3,7 milhões | 28 de Março de 2022 as 11h 09min
Fonte: Jamerson Miléski

Foto: Divulgação

A Novo Sabor Refeições Coletivas LTDA continuará administrando o Restaurante Universitário do campus da UFMT Sinop. A empresa é de propriedade do empresário Alan Malouf, um dos principais operadores do esquema criminoso que desviou recursos da Secretaria de Educação de Mato Grosso. Delator premiado, Malouf foi denunciado, investigado e condenado a 15 anos de prisão na Operação Rêmora.

A empresa já opera o restaurante da UFMT de Sinop desde 2017. Na nova licitação, finalizada em março de 2022, a Novo Sabor foi novamente contratada. O atual contrato prevê o fornecimento de 299.280 ao longo dos 260 dias letivos. O valor total a ser pago pela UFMT pelas refeições é de R$ 3.788.398,00.

O contrato prevê o fornecimento de 11 cardápios semanais, sendo 10 de segunda-feira a sexta-feira (almoço e jantar) e um cardápio para sábado (almoço). Além das refeições principais, a empresa também fornecerá café da manhã.

As refeições principais devem contar, obrigatoriamente com feijão, arroz, salada, uma proteína, frutas, um acompanhamento, uma guarnição e uma opção vegetariana em substituição a proteína animal. O custo de cada refeição principal será de R$ 16,28, sendo que R$ 2,50 são pagos pelos usuários e R$ 13,78 pela UFMT. O contrato também prevê a uma quantidade de refeições “isentas”. Nesse caso, a universidade paga integralmente o valor. Uma pequena quantidade de refeições é subsidiada, na qual a instituição arca com 50% do custo.

As refeições descritas como café da manhã devem conter leite, café, chá, pão, manteiga, geleia e fruta. O custo dessa refeição secundária é de R$ 5,84 – sendo que o usuário, professor, funcionário ou aluno, pagam R$ 1,00.

Para operar o restaurante da UFMT, a Novo Sabor terá que pagar um valor de R$ 16,4 mil por mês a título de concessão onerosa – basicamente um “aluguel” pelo uso do espaço físico de 823 metros quadrados. Ao longo do contrato, esse valor deve chegar a R$ 197 mil.

O contrato prevê um fornecimento médio de 1.151 refeições por dia. A UFMT Sinop tem cerca de 3,2 mil alunos em graduação, 190 em pós-graduação, 250 professores e 116 profissionais técnicos no apoio operacional.

 

Fornecendo como um condenado

A empresa de Alan Malouf possui uma longa tradição de vender para órgãos públicos. Além do restaurante da UFMT Sinop, a Novo Sabor também atende os campi de Rondonópolis e Cuiabá – sendo que na capital o primeiro contrato foi em 2014.

O delator, que quitou seu acordo em outubro do ano passado (foram R$ 5,5 milhões devolvidos), é sócio de 14 empresas. A Novo Sabor é tão afeita à contratos públicos que é a empresa que mantém o restaurante da Procuradoria Geral de Justiça (PGJ), que investigou Malouf.

A Novo Sabor opera o restaurante/cantina na Sema e fornece serviços de buffet para o Sebrae.