Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 12 de Agosto de 2022

Menu

Geral

Em protesto contra má qualidade, caminhoneiros fecham a BR-163

Manifestações começaram às 6h desta segunda-feira (14); a PRF já conseguiu liberar o trânsito

Péssimas condições | 14 de Fevereiro de 2022 as 11h 13min
Fonte: Jessica Bachega - Gazeta Digital

Foto: YouTube/Reprodução

Caminhoneiros que trafegam pela rodovia BR-163 realizaram protesto na manhã desta segunda-feira (14), no trecho próximo a Cuiabá. Parados por horas, eles reclamam das más condições da estrada e cobrança de pedágio em toda extensão da via.

Mobilizados no fim de semana, os profissionais decidiram parar em frente ao posto Aldo, às 6h. Após duas horas, eles liberaram o trânsito na rodovia. Não houve bloqueio ou impedimento de passagem de carros de passeios, apenas de caminhoneiros. 

A intenção da classe é chamar a atenção da empresa Rota do Oeste e autoridades para melhorias na principal estrada de Mato Grosso. Buracos, desníveis e demais avarias danificam os caminhões e colocam em risco a segurança de quem trafega por ela.

O motorista Carlos Alberto Neri conta que se daqui a 10 dias nada tiver sido feito para atender as demandas da categoria, haverá novo protesto, com fechamento de mais trechos. Por enquanto a greve está descartada.

“Nosso protesto é quanto à cobrança de pedágio e manutenção da rodovia. A gente anda muito nesse trecho. Daqui a 10 dias, se não taparem os buracos ou parar de cobrar pedágio nós vamos parar de novo e não vai abrir até ter um respaldo, uma resposta das autoridades”, afirma Carlos Neri, conhecido como Geleia.

Ele afirma que a manifestação foi um alerta. Caso não haja melhorias, haverá nova parada. Além de Cuiabá, houve parada em Lucas do Rio Verde.

A empresa Rota do Oeste informou que o trânsito já flui normalmente e equipes estão no local para monitorar o tráfego. Ainda não houve posicionamento quanto às queixas dos motoristas.