Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Domingo 14 de Julho de 2024

Menu

Investigação

Dona de perfil de aplicativo usado para atrair motoristas assassinados é presa em MT

Após a prisão do jovem e apreensão de dois adolescentes, foi descoberta a participação da mulher como a pessoa responsável por solicitar as corridas pelo aplicativo. Ela também estaria envolvida no repasse dos veículos roubados

Geral | 19 de Abril de 2024 as 16h 45min
Fonte: Redação G1-MT

Foto: Divulgação

A Polícia Civil prendeu uma jovem de 25 anos, nesta sexta-feira (19), suspeita de ser a dona do perfil usado no aplicativo de viagens para atrair motoristas para que dois adolescentes e um jovem cometessem latrocínio – roubo seguido de morte –, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá.

O mandado de prisão contra Keise Melissa Rodrigues Matos foi decretado pela Quinta Vara Criminal de Várzea Grande, após avanço das investigações da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Segundo o delegado responsável pela investigação, Nilson Farias, após a prisão do jovem e apreensão de dois adolescentes, foi descoberta a participação da mulher como a pessoa responsável por solicitar as corridas pelo aplicativo. Ela também estaria envolvida no repasse dos veículos roubados.

De acordo com o depoimento de um dos adolescentes envolvidos no crime, além da jovem, uma quinta pessoa teria participado dos assassinatos.

 

Investigação

Na segunda-feira (15), um jovem, de 20 anos, foi preso e dois menores, de 15 e 17 anos, foram apreendidos suspeitos de envolvimento nos assassinatos. Eles confessaram os crimes à polícia.

De acordo com o delegado, o grupo chamava a corrida pelo aplicativo de uma mulher. Após o embarque, o motorista era rendido, anunciavam um roubo, diziam que era somente um assalto, levavam para uma região de mata e os matavam.

Para o delegado, o grupo agia como 'serial killers' e tinham como objetivo matar um por dia. Ele acredita que há mais pessoas envolvidas nos crimes e que o próximo passo será investigar se a dona do perfil tem participação nos assassinatos ou se era um perfil falso criado pelos próprios criminosos.