Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 01 de Março de 2024

Menu

Genialidade

Designer gráfico de Sinop é aceito em 'clube internacional' de pessoas mais inteligentes do mundo

Cícero Moraes reconstruiu a primeira prótese de casco de jabuti feita em impressora 3D no mundo, além de uma animação com o rosto de Zuzu, um dos primeiros habitantes do Brasil

Geral | 28 de Fevereiro de 2023 as 10h 57min
Fonte: Kessillen Lopes, g1 MT

Foto: Cícero Moraes/Arquivo pessoal

O designer gráfico Cícero Moraes, de Sinop, é o mais novo membro do “clube internacional de gênios”. A Mensa International – associação de superdotados, sem fins lucrativos – é a maior sociedade de alto QI do mundo e reúne pessoas com altas habilidades ou superdotação (AH/SD), com inteligência nos 2% do topo de qualquer teste de inteligência padrão aprovado.

Foi em meio à crise da meia-idade que Cícero, de 39 anos, descobriu ser um superdotado. A inquietação, as crises de ansiedade e a busca por autoconhecimento o levou a trilhar o caminho até o diagnóstico.

“Entrei de cabeça na leitura de materiais que revelassem o que estava acontecendo comigo. Eu imaginava que fazia parte do espectro autista ou algo parecido, pois desenvolvi comportamentos de aversão a pessoas e ambientes poluídos, hiperfoco, sensibilidade à luz, aversão a alguns sons, mapeava com facilidade o humor de quem estava próximo, a fome me deixava irritado e não tolerava injustiça”, relatou.

Após meses de estudo por conta própria, acompanhamento com psicólogo e avaliação de uma neuropsicóloga, ele recebeu o laudo final de que era uma pessoa com altas habilidades ou superdotação (AH/SD).

“Nunca achei que poderia ser. Fiquei emocionado e aliviado, foi como tirar um peso das costas. O mais agradável de toda essa experiência é que parece que eu fiz as pazes comigo mesmo, passei a me entender melhor, a respeitar os limites, as características, a saber descansar ao passo que ganhei mais coragem para exercer atividades que outrora me cansavam bastante”, explicou.

Após o diagnóstico, Cícero reuniu a documentação e a enviou ao Mensa, que fez a análise e, frente aos resultados obtidos, o aceitou no clube, na última semana.

“Foi uma honra muito grande, posto que trata-se do reconhecimento público de habilidades que eu aprecio e desenvolvo há anos”, ressaltou.

O designer agora espera fazer amigos dentro do clube e se desenvolver ainda mais dentro do campo científico.

“É um movimento natural do ser humano buscar pessoas com as mesmas afinidades, de modo que espero fazer bons amigos, conhecer pessoas que gostem de compartilhar conhecimento e, claro, compartilhar com eles o meu conhecimento e experiência acadêmica e científica”, pontuou.

Trajetória

Cícero é especialista em computação gráfica e já produziu trabalhos de grande relevância, como a reconstrução do casco de um jabuti que perdeu a proteção durante um incêndio em 2015, sendo a primeira feita em impressora 3D no mundo. O trabalho o levou ao 'Guinness Book 2022' – o Livro dos Recordes.

Recentemente, um estudo arqueológico iniciado há 25 anos, somado ao minucioso trabalho de animação gráfica dele, revelou o rosto de Zuzu, uma das primeiras pessoas a ter habitado o Brasil.

Cícero Moraes reconstrói faces virtualmente — Foto: Reprodução

O designer contou que começou a estudar sobre computação gráfica 3D por volta de 1990. Inicialmente, trabalhando com maquetes eletrônicas.

“Portei para o mundo digital o conhecimento analógico que adquiri com 12 anos, quando era desenhista auxiliar de alguns escritórios de arquitetura. Como eu já ganhava o meu dinheirinho desde aquela época, me pareceu uma boa ideia começar a fazer o trabalho nos computadores”, explicou.

Em 2011, ele disse ter reagido a um assalto e levou um tiro de raspão na cabeça. O episódio o levou a uma crise de ansiedade e o medo o deixou "isolado" em casa.

“Como me via desgostoso de quase tudo o que me rodeava, busquei aprender sobre um campo que me havia chamado a atenção, também na década de 90, quando assisti a um programa em que apresentaram a técnica de reconstrução facial forense, onde, a partir de um crânio, reconstruíam o que seria a face do indivíduo em vida”, relembrou.

Em pouco tempo de estudo, segundo Cícero, ele superou a ansiedade acerca do assalto e fechou parcerias com pesquisadores internacionais, apresentando o trabalho em vários países.

“Um dos desdobramentos desse projeto foi o interesse por parte de médicos e cirurgiões dentistas sobre a abordagem 3D digital sobre a face, que se desdobraram em parcerias de desenvolvimento de tecnologia culminando em soluções para o planejamento cirúrgico humano, que hoje é meu ganha pão, e a confecção de próteses animais e humanas”, contou.

‘O clube dos mais inteligentes’

O Mensa é uma sociedade fundada no Reino Unido, em 1946, que reúne pessoas com "mentes brilhantes", independentemente da idade, raça, escolha política ou religiosa. No mundo, são mais de 150 mil membros, sendo cerca de 2,1 mil brasileiros.

Em Mato Grosso, segundo a última contagem da instituição, em setembro do ano passado, há 14 pessoas com QI elevado que compõem o clube. Com Cícero, agora, o número sobe para 15.

Para ingressar na sociedade, é preciso fazer uma prova de inteligência, devidamente aprovada e supervisionada. Conforme as regras, é necessário ter um desempenho melhor do que 98% das pessoas que possuem a mesma idade em um teste de inteligência.

O designer realizou três testes antes de ser aceito no clube. Em um deles, ele ficou na faixa de 1% (percentil 99%), outro na faixa 0,70% (99,3%) e outro na faixa 0,30% (99,7%).

Do total de superinteligentes identificados pela entidade no Brasil, 70% têm entre 19 e 36 anos. As pessoas entre 13 e 18 anos correspondem a 10%, mesmo patamar verificado para a faixa etária entre 37 e 45 anos. Apenas 5% possuem mais de 45 anos de idade.