Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Domingo 19 de Setembro de 2021

Geral

Deputado cita ‘exposição desnecessária’ e afirma que Gaeco não encontrou nada durante busca

O posicionamento foi emitido em nota assinada por advogado

Operação | 14 de Maio de 2021 as 16h 51min
Fonte: Fonte: Olhar Direto

Foto: Rogério Florentino Pereira

O deputado estadual Dilmar Dal'Bosco afirmou que a busca e apreensão realizada em sua residência na cidade de Sinop (480 km de Cuiabá) não encontrou nenhuma ligação dele com os demais alvos. O parlamentar também critica a "exposição desnecessária" da ação. O posicionamento foi emitido em nota assinada pelo advogado André Albuquerque. 

Dal’Bosco foi alvo do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), em conjunto com o Núcleo de Ações de Competência Originárias (Naco), que deflagrou na manhã desta sexta-feira (14), a terceira fase da “Operação Rota Final”, para apurar  crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e fraude a licitação do setor de Transporte Coletivo Rodoviário Intermunicipal de Passageiros de Mato Grosso (STCRIP-MT), promovida pela Secretaria de Infraestrutura do Estado de Mato Grosso e  Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados (AGER-MT).

Na nota, o deputado diz não entender os motivos pelos quais foi alvo de busca e apreensão uma vez que teria prestado depoimento no processo perante o Gaeco/Naco, e além disso, se colocado à disposição para qualquer outro esclarecimento. O parlamentar diz também estranhar a busca e apreensão de bens e eletrônicos.

“Cumpre informar que o deputado Dilmar Dal Bosco não foi denunciado formalmente, não é réu no processo denominado Operação Rota final, que apura crimes ligados ao setor de transportes. Houve apenas em sua residência particular em Sinop, da mesma forma que não houve sequer pedido de bloqueio de bens ou pedido de prisão contra o deputado”, acrescenta a nota.

“A busca e apreensão realizada na residência do parlamentar em Sinop visa encontrar documentos que poderiam ligar o parlamentar a ter qualquer relação com os acusados. Porém, nada fora encontrado, que conclua tal ligação do parlamentar aos envolvidos. Sendo assim, a defesa irá buscar informações junto ao processo judicial bem como, junto ao Gaeco/Naco, para saber quais foram as razões que levaram a tamanha exposição desnecessária para com o parlamentar, além de outras medidas que entender serem necessárias”, finaliza a nota.

OPERAÇÃO ROTA FINAL

O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), em conjunto com o Núcleo de Ações de Competência Originárias (Naco), deflagrou na manhã desta sexta-feira (14), a terceira fase da “Operação Rota Final”, que busca apurar  crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e fraude a licitação do setor de Transporte Coletivo Rodoviário Intermunicipal de Passageiros de Mato Grosso (STCRIP-MT), promovida pela Secretaria de Infraestrutura do Estado de Mato Grosso e  Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados (AGER-MT).

Os alvos são o deputado estadual Dilmar Dal'Bosco, o suplente e ex-deputado Pedro Satélite e uma assessora parlamentar. Os agentes policiais também devem cumprir ordem de prisão preventiva contra empresário Eder Pinheiro, da Verde Transportes, que seria o líder da organização criminosa e, também, impor o uso de tornozeleira eletrônica no representante do Sindicato dos Empresários do Setor de Transporte Intermunicipal de Passageiros (SETROMAT), que, por sua vez, está proibido de se ausentar do Estado de Mato Grosso, frequentar alguns órgãos públicos e manter contato com outros investigados.