Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Segunda Feira 20 de Setembro de 2021

Geral

Com atraso, Estado autoriza o retorno de cirurgias eletivas

Municípios terão autonomia para programar procedimentos

Saúde | 06 de Julho de 2021 as 15h 48min
Fonte: Jamerson Miléski

Foto: Assessoria

A promessa do governador Mauro Mendes (DEM), era retomar as cirurgias eletivas nos hospitais estaduais de Mato Grosso no dia 23 de junho. Sempre resistente em dar datas para as ações do governo, dessa vez Mendes marcou o calendário mas não conseguiu segui-lo

O decreto 989, que autoriza o retorno das cirurgias eletivas só foi publicado nesta segunda-feira (5). O documento revoga a ordem anterior, que suspendeu os procedimentos em função da pandemia de Covid-19.

Para que as cirurgias sejam de fato retomadas, a Secretaria Estadual de Saúde está elaborando um Plano que irá orientar as unidades hospitalares.

Para o retorno dos procedimentos eletivos no Estado, a decisão levou em consideração a redução na taxa de ocupação dos leitos de internação de pacientes em tratamento do coronavírus que, conforme dados do Painel Interativo da Covid-19 de 01 de julho de 2021, estava em 73,07%.

A secretaria adjunta do Complexo Regulador da SES explica que cada município tem autonomia para planejar e executar o retorno das cirurgias eletivas.

A necessidade de oferecer cirurgias eletivas foi assunto de cobrança durante a sessão da Câmara de Sinop desta segunda-feira (5). O vereador Adenilson Rocha (PSDB), lembrou do prazo prometido pelo governador e da não efetivação do compromisso.

Em junho desse ano, quando Mendes fez o anúncio, a meta era realizar 50 mil cirurgias eletivas ainda em 2021.

Cirurgias eletivas são os procedimentos cirúrgicos que não possuem caráter de emergência – no qual o paciente não corre risco de morte. Pela norma médica, é considerada uma cirurgia eletiva um procedimento que pode ser adiado por até um ano sem causar grandes problemas ao paciente.