Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Segunda Feira 27 de Setembro de 2021

Geral

Casas dos secretários de Saúde e de Gestão são alvos da PF; Possas também é investigado

Os mandados também são cumpridos na sede da SMS, do HMC e da Empresa Cuiabana

Agro e economia | 30 de Julho de 2021 as 10h 54min
Fonte: Kamila Arruda / Luzia Araújo

Foto: Prefeitura de Cuiabá

O atual secretário de Saúde de Cuiabá, Célio Rodrigues, é um dos principais alvos da Operação Curare, deflagrada pela Polícia Federal nas primeiras horas da manhã desta sexta-feira (30). O integrante do primeiro escalão municipal, que também responde pela Empresa Cuiabana de Saúde, foi afastado do cargo por determinação judicial.

O secretário de Gestão da Capital Alexandre Beloto também está sendo alvo da polícia federal. Assim como o gestor da Saúde, ele também teve sua residencia revistada por agentes em cumprimento a mandado de busca e apreensão e foi afastado do cargo.

A investigação ainda atingiu o ex-secretário de Saúde, Luis Antônio Possas de Carvalho, que já estava afastado da admistração pública municipal desde outubro do ano passado, devido a desdobramentos da Operação Overprice, que apurou um esquema de superfaturamento na aquisição de medicamentos para covid, como a ivermectina.

Ao todo, são cumpridos 21 mandados de busca e apreensão nas cidades de Cuiabá-MT, Curitiba/PR e Balneário Camboriú/SC, além de medidas cautelares de suspensão de contratos administrativos e de pagamento “indenizatórios”, bem como de suspensão do exercício de função pública.

Os mandados estão sendo cumpridos nas casas dos gestores, na sede da Secretria Municipal de Saúde, no administrativo do Hospital Municipal de Saúde e na Empresa Cuiabana.

A operação apura um esquema de fraude no sistema de saúde referente à contratação de leitos de UTIs Covid. A PF ainda não informou de quanto seria o prejuízo causado aos cofres públicos.

Até o momento, a prefeitura apenas se manifestou para informar que o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) tem interesse na investigação e irá acatar as determinações judiciais.