Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Segunda Feira 20 de Setembro de 2021

Geral

Atleta morre após passar mal e cair durante trilha de ciclismo

O diagnóstico preliminar aponta que ele teve um ataque cardíaco durante a corrida

Alta Floresta | 14 de Julho de 2021 as 14h 07min
Fonte: Informações G1 MT

Um atleta de 51 anos morreu durante uma trilha com amigos na região conhecida como 'Serrinha Mortal', em Alta Floresta, no último domingo (11). Luiz Ricardo de Mendonça, conhecido como 'Rambo', foi enterrado nessa segunda-feira (12).

O sobrinho da vítima, Kayron De Mendonça, disse que os médicos informaram à família que a suspeita é que Ricardo tenha sofrido um ataque cardíaco durante a corrida. Em seguida, ele caiu, bateu a cabeça e teve um traumatismo craniano.

Apesar do diagnóstico preliminar, a família aguarda o lauda da perícia, que sai em 15 dias, para confirmar a causa da morte.

Kayron contou que a competição que o tio participou foi organizada entre amigos, que já conheciam a trilha. Cerca de 20 pessoas participaram.

“Ele andou por lá algumas vezes. Meu tio estava na trilha e logo se distanciou dos demais. Outros chegaram primeiro e perceberam que ele estava demorando. Quando voltaram, encontraram ele no fim de uma descida, caído”, relatou.

Os amigos de Ricardo acionaram o Corpo de Bombeiros que, ao chegar no local, confirmou o óbito.

“A bicicleta estava muito rápida, foi tudo muito rápido. A hipótese é que ele já havia sofrido o ataque, pois caiu com o rosto no chão. Caiu descendo a ladeira e bateu a cabeça com a face direita. Foi com tudo no chão. Imagina-se um desmaio – corpo mole – algo nesse sentido”, explicou.

Ricardo começou a praticar o ciclismo no fim do ano passado. Ele tinha uma academia em Alta Floresta e 'treinava pesado', segundo a família.

De acordo com o sobrinho, o atleta e empresário também levou muito a sério o ciclismo e praticava exercícios em excesso. Ele pedalava mais de 60 km por dia e, à noite, treinava na academia.

“Ele entrou no ciclismo pela ausência de uma pessoa para acompanhá-lo nos treinos. Levou tudo muito a sério, não era por hobby. Estava pedalando demais, acima do normal, tinha excesso de atividade. Isso pode ter contribuído para o que aconteceu”, pontuou.

O atleta deixa dois filhos, sendo um menino de 15 anos e uma menina de 12 anos.

“Foi um choque para todos. Ele era uma pessoa calma, humilde, gostava de animais, ajudava as pessoas. Sempre foi muito dedicado em tudo que fazia”, disse Kayro.