Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Sábado 24 de Fevereiro de 2024

Menu

Quebra da safra

AMM: impacto da seca nos municípios deve ser de R$ 1,2 bilhão

Condições climatológicas adversas causaram grande impacto nas lavouras de soja em Mato Grosso

Geral | 02 de Janeiro de 2024 as 06h 53min
Fonte: Mídia News

Foto: JLSiqueira/ ALMT

O presidente eleito da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Leonardo Bortolin (MDB), revelou que a seca pode diminuir a arrecadação tributária gerada pelo agronegócio em R$ 1,2 bilhão.

A instituição prevê que a escassez de chuvas reduza a colheita, diminuindo o recolhimento do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab), além de impactar no Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

“Vemos um cenário muito ruim financeiramente para os municípios. O próximo ano deve ter uma recessão pela perda da produção agrícola, que deve impactar na diminuição de R$ 1,2 bilhão em relação ao Fethab e ao FPM”, explicou Bortolin, que assume a entidade na quarta-feira (3).

O presidente também contou que a AMM deve apresentar, até fevereiro de 2024, um plano com medidas para reduzir os prejuízos. O documento será produzido em parceria com o Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT).

“Devemos apresentar até fevereiro o planejamento estratégico aos prefeitos, onde buscaremos ferramentas, em parceria com o Tribunal de Contas, para melhorar a receita dos municípios. Já temos a reunião marcada”, disse.

Para enfrentar a crise, ele considera essencial que a AMM fortaleça a relação com o Governo de Mato Grosso.

“A AMM vai fortalecer a relação institucional com todos os poderes, mesmo sendo uma entidade autônoma. Precisamos tratar com muita proximidade institucional as entidades parceiras e, entre elas, o Governo do Estado”, concluiu.

 

A seca

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL-MT) pediu que o Governo do Estado decrete situação de emergência sobre a seca. O pedido foi feito no dia 21 de dezembro.

Conforme a Casa de Leis, instituições do agronegócio, como a Aprosoja e a Famato, e municípios do interior apoiam o pedido.

Eles alegam a perda de plantações e morte de animais por causa da escassez de chuvas.

O Governo do Estado, contudo, ainda não respondeu.