Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sábado 02 de Julho de 2022

Menu

Geral

AMEA recebe título estadual de utilidade pública

Associação com sede em Sinop desenvolveu dispositivos para combater queimadas no Pantanal

Reconhecimento | 20 de Outubro de 2021 as 17h 07min
Fonte: Jamerson Miléski

Foto: Assessoria

A AMEA (Associação Mato-grossense de Educação Ambiental), acaba de ser oficialmente reconhecida como uma entidade de utilidade pública pelo Governo de Mato Grosso. A lei 11.530 que confere o status para associação foi publicada no Diário Oficial do Estado desta quarta-feira (20).

O título de utilidade pública foi proposto pelo deputado estadual Dilmar Dal’Bosco – que assim como a AMEA possui sua base em Sinop. A propositura do deputado recebeu a aprovação da Assembleia Legislativa e no dia 19 de outubro o projeto recebeu a sanção legal do Governo do Estado.

A AMEA já havia sido reconhecida como sendo de utilidade pública em maio desse ano pela prefeitura de Sinop.

Embora exista desde 1999, a AMAE ganhou destaque recente com sua mobilização de pesquisadores e cientistas para desenvolver uma solução de prevenção e combate das queimadas no Pantanal de Mato Grosso. Através dos seus esforços, colaboradores modelaram o que ficou conhecido como “Radar do Fogo”: um conjunto de dispositivos capaz de monitorar remotamente o princípio de incêndios florestais mesmo nas regiões mais distantes, enviando as informações para as brigadas de combate.

Ao ser declarada como Utilidade Pública, a AMEA terá mais facilidade para implementar seu projeto – a grande meta é implantar o Radar do Fogo por todo Pantanal. Isso porque o título dá condições da entidade firmar convênios com o poder público, que deve ser o grande financiador desse projeto. O acesso aos recursos de fundos ambientais também fica facilitado para entidades consideradas de utilidade pública.

Para cobrir todo o Pantanal com os aparelhos de monitoramento e montar uma rede de comunicação instantânea das informações, a AMEA estima um investimento na ordem de R$ 3 milhões – quantia ínfima se considerados os 2,3 milhões de hectares do bioma pantaneiro que foram consumidos pelas chamas no ano passado.