Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 01 de Março de 2024

Menu

Corte de bolsas

Estudantes da UFMT protestam contra corte de bolsas

De acordo com os estudantes, o corte é de R$ 2 milhões nas bolsas de assistência estudantil e foi aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) nessa segunda-feira (27)

Educação | 29 de Março de 2023 as 12h 22min
Fonte: Redação G1-MT

Foto: Rogério Junior

Estudantes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) realizam uma manifestação, na manhã desta terça-feira (28), na guarita central da instituição, no Bairro Boa Esperança, em Cuiabá. Eles protestam contra o corte de bolsas anunciado nessa segunda-feira (27).

A reportagem entrou em contato com a universidade, que informou que a demanda foi encaminhada para busca de informações e que vão se manifestar logo que possível.

De acordo com os estudantes, o corte é de R$ 2 milhões nas bolsas de assistência estudantil e foi aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) nessa segunda-feira (27).

Segundo Wesley da Mata, representante do Diretório Central dos Estudantes (DCE), o corte vai impactar 400 auxílios dos estudantes.

Cortes

Em maio de 2022 foi anunciado um bloqueio no orçamento da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) que atingiu R$ 13,7 milhões, o que, segundo a instituição, corresponde a 21,2% do dinheiro usado para manutenção e funcionamento do local.

O Ministério da Educação disse que realizou o bloqueio com base no Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas Primárias referente ao 2º bimestre de 2022. Com isso, o MEC decidiu aplicar um bloqueio linear de 14,5% para as despesas discricionárias das universidades.

Já em dezembro, UFMT informou que não conseguiria pagar as bolsas e auxílios aos estudantes, após um novo bloqueio no Orçamento feito pelo governo federal, de R$ 5,7 bilhões. Na instituição, o impacto foi estimado em mais de R$ 13,7 milhões.

Na época, a universidade ainda apontou que possuía R$ 10 mil em caixa e um déficit de R$ 5,2 milhões -- situação que afeta 1.726 estudantes, além do funcionamento geral da universidade, pesquisas, atividades extracurriculares e serviços terceirizados, conforme a Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (PRAE).