Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Domingo 03 de Julho de 2022

Menu

Economia

Preço dos combustíveis faz inflação de Sinop subir acima da média

No mês de outubro, inflação local foi de +1,14%

Economia | 01 de Dezembro de 2021 as 11h 46min
Fonte: Jamerson Miléski

Foto: Aline Massuca/Metrópoles

A alta no preço dos combustíveis provocou uma reação em cadeia em todos os itens de consumo. É o que aponta o levantamento realizado pelo departamento de Economia da Unemat, em parceria com a CDL Sinop. O relatório divulgado nesta quarta-feira (1), mostra que a inflação local subiu 1,14% no mês de outubro. Com isso, a inflação acumulada dos últimos 12 meses é de 9,29%. A meta definida pelo Banco Central era de uma inflação de 3,75% em 2021. O IPCA mostra que a inflação nacional é ainda maior que a inflação local. No acumulado dos últimos 12 meses, os preços subiram +10,67%.

No mês de outubro, os preços aos consumidores de Sinop subiram em todos os 9 grupos de consumo. De saúde à habitação, de alimentação à educação, tudo ficou mais caro. Segundo o economista que coordena o levantamento, Feliciano Azuaga, a alta geral nos preços está diretamente associada ao crescente aumento dos combustíveis. “Combustível é insumo básico. Quando sobe impacta toda cadeia de consumo”, avaliou.

Entre os 9 grupos que compõem a cesta de consumo do sinopense, o que mais subiu em outubro foi justamente o Transporte, com alta de +2,16%. Vestuário ficou na segunda posição com +1,64%. O grupo Alimentação – constantemente em alta – inflacionou +1,28%.

“A boa notícia é que nesta semana o preço internacional do barril de petróleo caiu 25%. Caso a Petrobrás e o governo transmitam essa redução, pode ser que tenhamos uma aliviada nos preços nesse final de ano”, comentou Azuaga.

Da mesma forma como o preço dos combustíveis pressionou a alta da inflação, uma redução de valores pode provocar uma queda geral no custo de vida.

O básico de luxo

O departamento de Economia da Unemat também monitora, desde 2013, o preço da cesta básica em Sinop. São 13 itens alimentícios em quantidades suficientes para nutrir um humano adulto pelo período de 30 dias – basicamente uma ração humana.

Em outubro, a cesta básica em Sinop chegou a R$ 630,32 – alta de +0,26% com relação ao mês anterior. Esses alimentos primários tem registrado uma constante alta nos últimos meses, sem sinais de retração. O relatório mostra que nem mesmo a queda no valor da arroba do boi gerou uma redução no preço da carne que integra a Cesta Básica.

Conforme o GC Notícias já divulgou (clique aqui para ver), há um ano a Cesta Básica em Sinop era comercializada a R$ 529,34. Antes disso, em 2019, os mesmos itens custavam R$ 426,85. Em dois anos o sinopense precisou gastar R$ 200,00 a mais para comprar as mesmas coisas.

A inflação isolada, só dos itens da cesta básica, corresponde à +47% em dois anos.