Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Terça Feira 28 de Junho de 2022

Menu

Economia

Confiança empresarial em fevereiro apresenta melhora em Sinop, aponta pesquisa da CDL

CDL Sinop | 07 de Março de 2022 as 14h 31min
Fonte: Julio Tabile - Comunicação CDL

Foto: Assessoria CDL Sinop

O levantamento de informações para o Índice de Confiança Empresarial ocorreu entre os dias 03 e 13 do mês de fevereiro de 2022, tendo como referência os últimos 30 dias de atividade econômica.

Todos os indicadores apresentam uma escala de graduação que vai de zero (0), escala menos otimista, até duzentos pontos (200), considerada a escala mais otimista possível.

O ICE não apresentou variação e atingiu 125 pontos. O mesmo patamar do mês de janeiro. Esse resultado indica uma percepção de estabilidade nos indicadores econômicos. Quando comparado ao mesmo período do ano anterior o resultado apresenta uma melhora 2,46 %.

"Janeiro e fevereiro se mantiveram estáveis para os empresários. Existe uma boa perspectivas para o ano, principalmente devido o ano bom do Agro, que é a economia forte da região. Observamos também o retorno de investimentos e ampliação em cerca de 16% de contratações. Então isso trás segurança a médio e longo prazo para ampliar os negócios”, avalia o professor Doutor em economia, Feliciano Azuaga, coordenador da Pesquisa CISE/CDL.

Quanto ao Índice de Confiança dos Consumidores, o indicador permite acompanhar a confiança deles em relação à inflação, desemprego, renda familiar e endividamento. A confiança dos consumidores se mostrou praticamente estável. Em fevereiro, o ICC apresentou uma leve queda em relação ao mês anterior. Passou de 82,86 para 81,78 indicando uma retração de (-1,30%) em relação a janeiro.

“O consumidor está sentindo uma redução da sua renda, principalmente quem ganha até cinco salários mínimos. O rendimento está disputando gastos com itens básicos, deixando de lado a compra de bem duráveis”, avalia Feliciano.

O levantamento é feito entre os dias 1º a 10 de cada mês, com referência aos próximos 30 dias.