Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Terça Feira 16 de Abril de 2024

Menu

Segundo IBGE

Comércio varejista de MT registra o maior crescimento do país

O resultado deixa o estado bastante acima da média nacional, que apresentou aumento de 2,5%

Economia | 15 de Março de 2024 as 07h 30min
Fonte: PNB Online

Foto: Prefeitura de Cuiabá

O comércio varejista em Mato Grosso registrou alta de 8,6% janeiro deste ano frente a dezembro de 2023, conforme dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (14.03). O resultado deixa o estado bastante acima da média nacional, que apresentou aumento de 2,5%.

Na passagem de dezembro de 2023 para janeiro de 2024, na série com ajuste sazonal, a taxa média nacional de vendas do comércio varejista foi de 2,5% com resultados positivos em 24 das 27 Unidades da Federação, com destaque para: Mato Grosso (8,6%), Bahia (6,2%) e Acre (4,7%). Por outro lado, pressionando negativamente, figuram 3 das 27 Unidades da Federação, com destaque para Santa Catarina (-1,0%), Minas Gerais (-0,1%) e Maranhão (-0,1%).

“O comércio varejista veio de dois meses mais fracos, em que os resultados foram bastante abaixo do que poderíamos ter visto. Esse é um comportamento que foi observado não só em 2024, mas também em outros anos, quando, por exemplo, houve queda nas vendas no fim de 2022 e uma recuperação em janeiro”, lembra o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

Frente a janeiro de 2023, a alta de 4,1% das vendas no comércio varejista teve também predomínio de taxas positivas para as Unidades da Federação (25 do total de 27), com destaque para: Amapá (16,8%), Mato Grosso (11,9%) e Bahia (11,8%). Duas Unidades da Federação alcançaram resultados negativos na comparação interanual: Paraíba (-2,3%) e Espírito Santo (- 0,7%),

Nacionalmente, cinco das oito atividades investigadas na pesquisa avançaram em janeiro deste ano. Dentre elas, os destaques foram as de tecidos, vestuário e calçados (8,5%) e de equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (6,1%), que exerceram as principais influências sobre o resultado total do comércio varejista.