Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Sábado 13 de Julho de 2024

Menu

Segundo dados

Arrecadação federal soma R$ 203 bilhões, maior valor para maio desde 1995

Segundo a Receita, a calamidade no Rio Grande do Sul gerou uma perda de arrecadação de R$ 4,4 bilhões no mês passado

Economia | 25 de Junho de 2024 as 10h 23min
Fonte: R7 notícias

Foto: Divulgação

A arrecadação de impostos e contribuições federais atingiu R$ 202,9 bilhões em maio. O valor é o maior da série histórica iniciada em 1995 e representa um aumento real de 10,46% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando a arrecadação somou R$ 183,7 bilhões (valor corrigido pela inflação). Os dados foram divulgados nesta terça-feira (25) pela Receita Federal.

Sem correção inflacionária, a arrecadação teve alta de 14,8% em maio. No acumulado dos cinco primeiros meses do ano, o valor alcançado foi de R$ 1,09 trilhão, um acréscimo real de 8,72%.

No mês, a arrecadação administrada pela Receita Federal atingiu R$ 196,68 bilhões, o que corresponde a uma alta real de 10,4% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Já as receitas administradas por outros órgãos totalizaram R$ 6,3 bilhões, com crescimento real de 12,6% em relação a maio de 2023.

“O acréscimo observado no período pode ser explicado pelo comportamento das variáveis macroeconômicas, pelo retorno da tributação do PIS/Cofins sobre combustíveis, pela tributação dos fundos exclusivos e pela atualização de bens e direitos no exterior, e pela calamidade ocorrida no Rio Grande do Sul”, informou a Receita Federal.

Segundo o órgão, a calamidade no Rio Grande do Sul gerou uma perda de arrecadação de R$ 4,4 bilhões em maio.

A Receita detalhou que alguns impostos contribuíram para a alta da arrecadação federal em maio. Veja abaixo os destaques:

• O IRPF apresentou uma arrecadação de R$ 23 bilhões, com crescimento real de 44,82%. Esse resultado pode ser explicado, principalmente, pelos 7,2 bilhões arrecadados pela atualização de bens e direitos no exterior, conforme disposto na Lei 14.754/23.

• O PIS/Pasep e a Cofins totalizaram uma arrecadação de R$ 40,5 bilhões, representando crescimento real de 11,74%. Esse desempenho é explicado pelo aumento de 4,9% no volume de venda e de 5,6% no volume de serviços entre abril de 2024 e abril de 2023, pelo acréscimo da arrecadação relativa ao setor de combustíveis e pela exclusão do ICMS da base de cálculo dos créditos dessas contribuições.

• O IRRF – Trabalho apresentou uma arrecadação de R$ 16,8 bilhões, com crescimento real de 12,58%. Esse resultado se deve aos acréscimos reais na arrecadação dos seguintes itens: “Rendimentos do Trabalho Assalariado” (11,4%), “Aposentadoria do Regime Geral ou do Servidor Público” (29,9%), e “Participação nos Lucros ou Resultados - PLR” (15,9%).

 

Acumulado de janeiro a maio

Segundo a Receita, no acumulado dos cinco primeiros meses do ano, o valor arrecadado foi de R$ 1,09 trilhão, um acréscimo real de 8,72% em relação ao mesmo período do ano passado.

De janeiro a maio, a arrecadação também bateu recorde histórico para o período.