Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Terça Feira 28 de Junho de 2022

Menu

Artigo

Proclamação da República

15 de Novembro de 2021 as 13h 42min

O termo REPÚBLICA vem do latim “res publica” cujo conceito e definição é “coisa pública”. Nos tempos atuais muito se vê o conceito de república ligado ao sistema de governo cujo poder emana do povo, pelo povo e para o povo representado por um presidente.

No Brasil, o sentimento de MUDANÇA nasceu pelo desconforto com a coroa face à crise/atritos com a igreja, a perda do apoio político dos grandes fazendeiros e dos progressistas. Estes, por sua vez, criticavam muito a exagerada manutenção da escravidão no país. Os progressistas criticavam, também a ausência de iniciativas com vistas ao desenvolvimento do país, seja no âmbito econômico, político ou social. Outro ponto de crítica foi a manutenção do regime político de castas e o voto censitário, ou seja, com base na renda anual das pessoas, a ausência de um sistema de ensino universal, os altos índices de analfabetismo e de miséria, fatos estes que promoviam o “afastamento político” do Brasil em relação a todos demais países do continente, que eram republicanos.

Nos tempos atuais percebe-se grande movimento de criticidade às políticas de governo, comparando-se os gestores que governam ou governaram o Brasil. Contudo, é claro e evidente que a população brasileira busca uma república mais transparente e que foque suas ações em prol da coisa pública e consequentemente da coletividade. A percepção que o POVO entendeu que a política de e para “castas” não é o modelo ideal para um governo inclusivo. A “política de/para castas”na qual somente os que detém o poder econômico tem VOZ está com os dias contados, pois o POVO despertou e exige uma administração pública transparente, inclusiva e que permite a participação popular.

Neste momento, a esperança está no ECO eEMPATIA do hino escrito por José J. de Campos da Costa de Medeiros e Albuquerque, cujo tom musical foi consolidado por Leopoldo Américo Miguez, senão vejamos:

“ (...)

Seja um hino de glória que fale

De esperança, de um novo porvir!

Com visões de triunfos embale

Quem por ele lutando surgir!

(...)

Liberdade! Liberdade!

Abre as asas sobre nós!

Das lutas na tempestade

Dá que ouçamos tua voz!

(...)”

 

Destarte aos conceitos pretéritos, presentes e das perspectivas de futuro que se esperada nossa REPÚBLICA, percebe-se claramente que o hino doravante escrito contém o sentimento do POVOem todos os tempos pois impõe que a VOZ do POVO seja ouvida e que o governo tenha EMPATIA para com os seus governados pautando por uma gestão ética, moderna e transparente e principalmente, que não atenda somente as “castas políticas”. Como bem descrito no hino, o POVO quer a glória de ter esperança de um novo porvir, com visões que embale triunfos de quem por ele esteja lutando.

 

VIVA A REPÚBLICA DA EMPATIA! Que a EMPATIA vença a RAIVA.

 

*Pedro Paulo Peixoto da Silva Junior, advogado, especialista em direito tributário, doutorando em ciências sociais e jurídicas pela umsa, professor universitário e de cursos preparatórios da disciplina de direito tributário.

Pedro Paulo Peixoto da Silva Junior

Artigo

Pedro Paulo Peixoto da Silva Junior é advogado, especialista em direito tributário pela Escola Paulista de Direito, Doutorando em Ciências Sociais e Jurídicas pela UMSA, professor universitário e de cursos preparatórios da disciplina de direito tributário, presidente do IAMAT – Instituto dos Advogados de Mato Grosso.