Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 12 de Agosto de 2022

Menu

Artigo

Pero Vaz de Caminha tinha razão

28 de Julho de 2022 as 10h 57min

Em sua carta ao rei Dom Manuel, de Portugal, em 1500, o mensageiro português Pero Vaz de Caminha estava certo quando escreveu que “nesta terra, em se plantando, tudo dá”, ao relatar suas primeiras impressões após chegar ao Brasil. Ficou deslumbrado com o cenário aqui encontrado, com vasta vegetação e abundância de recursos naturais. Tudo levava a crer que debaixo de seus pés havia um solo fértil, onde seria possível cultivar diferentes culturas.

Aliado a outros fatores como clima, com sol e água na medida certa, o que ele escreveu se confirmou com o passar dos séculos e hoje o Brasil é reconhecido internacionalmente por seu potencial produtivo. No entanto, nada disso seria possível se não fosse a participação de um importante ator: o agricultor.

Disposição, interesse, empreendedorismo, resiliência, inquietude, sede por tecnologia e inovação são características dos produtores rurais, que ajudaram o Brasil a conquistar o posto de 4º maior produtor mundial de grãos, logo atrás da China, Estados Unidos e Índia. Para chegar até aqui, na lida no campo enfrentam adversidades não encontradas em outras profissões, uma vez que seu negócio é uma indústria a céu aberto, vulnerável, suscetível a intempéries climáticas, pragas e outros imprevistos.

Mas não é das dificuldades que queremos falar neste 28 de julho, Dia do Agricultor. Nesta data, queremos valorizar e homenagear esse protagonista da economia brasileira. Sim, porque o agronegócio tornou-se um dos principais setores econômicos do País, que abastece o setor industrial, movimenta o comércio e as empresas prestadoras de serviço. Vão dizer que é clichê, mas o agro é a mola propulsora do Brasil e teve fundamental importância para a sanidade da economia nacional na mais recente crise econômica global, decorrente da pandemia de Covid-19.

E não é só de comida que estamos falando. Do agro provém também as fibras, que são transformadas em roupas, tecidos e outros revestimentos; combustíveis como etanol e biodiesel; energia limpa como a de biomassa e do bagaço da cana; e onde dejetos (de suínos) são transformados em energia por meio dos biodigestores.

E, no Brasil, a produção agropecuária é exercida com respeito ao meio ambiente. Produtores rurais trabalham sob exigentes regras da Lei Ambiental, fiscalizados de perto pelos órgãos de controle estatais e também por todo o cenário do comércio mundial, que não admite produção que infrinja as leis ambientais.

E com muito trabalho e respeito às leis, o agro produz números superlativos. Vejamos alguns deles: o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de 2022 está estimado em R$ 1,241 trilhão (em junho), 1,6% maior que o registrado em 2021, segundo o Ministério da Agricultura. Os dados são calculados a partir da quantidade produzida multiplicada pelo preço de mercado e inclui lavouras e pecuária. A safra de grãos 2021/2022, com condições climáticas favoráveis, deve colher 272,5 milhões de toneladas, crescimento de 6,7% sobre o ano anterior, conforme levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). E no mercado internacional, as exportações brasileiras do agro atingiram em junho valor recorde de US$ 15,7 bilhões, expansão de 31,2%.

Diante desses expressivos números podemos dimensionar a grandeza do setor agropecuário, desenvolvido desde a agricultura familiar, passando pelos pequenos, médios e grandes produtores. Várias peças fazem parte dessa engrenagem, que funcionam em harmonia, graças ao papel desempenhado pelo protagonista desse enredo, o produtor rural, a quem o Fórum Agro parabeniza no dia de hoje e aproveita para desejar muito mais força e perseverança na labuta de todos os dias.

 

*Itamar Canossa é presidente do Fórum Agro MT e da Acrismat

Itamar Canossa

Artigo

*Itamar Canossa é presidente do Fórum Agro MT e da Acrismat.