Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Terça Feira 28 de Junho de 2022

Menu

Artigo

Os monstros da política

06 de Junho de 2022 as 09h 24min

Governantes das mais diferentes ideologias dão efetiva contribuição à degenerescência da arte de governar, pela qual Saint Just, um dos jacobinos da Revolução Francesa, já expressava, nos meados do século 18, grande desilusão: “Todas as artes produziram maravilhas, menos a arte de governar, que só produziu monstros.” A frase se destinava a mostrar o perfil dos ditadores.

Hoje, a insanidade continua a pavimentar o caminho dos governantes. Canalhice, mediocridade, vaidade, ignorância, hipocrisia, populismo inundam os espaços públicos.

Lembram-se de Silvio Berlusconi, na Itália, flagrado em suas festas “bunga-bunga”, que abrigava a prostituição de 26 garotas a ele levadas por uma rede de quadrilha e prostituição? Berlusconi se prepara para reentrar no cenário político. Lembram-se dos famosos flagrantes de dólares na cueca envolvendo figuras de nossa política?

Vladimir Putin exibe para a comunidade um perfil atlético de esportista e se mostra um denodado defensor da soberania russa, mas há mais de três meses fustiga a Ucrânia, deixando em cinzas o território de um-satélite da ex-URSS. Motivo? Quer integrar partes do país à Rússia. Uma superpotência mundial destruindo um vizinho, sob o olhar perplexo do mundo.

A mais recente cena que causou estupefação no planeta foi o assassinato de Genivaldo de Jesus Santos, um homem negro, detido pela Polícia Rodoviária Federal por não usar capacete, forçado a entrar no porta-malas de um carro, onde os policiais jogaram uma bomba de fumaça. Um ato que lembra a câmara de gás dos campos de concentração nazistas.

Lembram-se de Pedro Aleixo, vice-presidente do marechal Costa e Silva. Referindo-se ao AI-5, dizia: “o problema de uma lei não é o senhor (Costa e Silva), nem os que governam o país com o senhor. O problema é o guarda da esquina”.

O que explica a propensão de homens públicos a assumirem o papel de atores de peças vis, cerimônias vergonhosas e, ainda, abusarem de linguagem chula, incongruente com a posição que ocupam? O que explica a imagem de parlamentares mexendo no orçamento para inundarem com recursos o pleito eleitoral? Governantes cooptando apoio parlamentar com o anzol da grana?

A resposta: a despolitização e a desideologização, o baixo nível de institucionalização do país, a secular cultura política, fatores que, no Brasil, ganham expansão na esteira da deseducação das massas.

Os mecanismos tradicionais da democracia liberal, aqui e alhures, estão degradados. Retomo, aqui, o paradigma do “puro caos”, que o professor Samuel Huntington (Harvard, EUA) identifica como fenômeno contemporâneo e que se ancora na quebra no mundo inteiro da lei e da ordem, nos cartéis de drogas, na destruição das famílias, em ondas de criminalidade, enfim, no declínio da confiança na política.

Os exemplos estão em toda a parte. Como se pode exigir respeito dos cidadãos se os dirigentes não são o melhor espelho para refletir padrões de comportamento? Atravessamos um dos mais conturbados ciclos da política. A imagem de Saint Just, que abre este artigo, cutuca nossa consciência e corrobora o fato de que a arte de governar tem sido um laboratório de monstros.

Como se pode elogiar um grupo de policiais que agiram contra um doente mental? Como é possível alguém, com um mínimo de responsabilidade, vir a público para pregar a violência, a necessidade de armar a população, o escárnio ao Poder Judiciário, entoando um hino de guerra para mobilizar guerreiros?

A esfera pública virou arena de interesses, atraindo pessoas de todos os naipes. Bifurca-se o caminho da Res Publica com a vereda do negócio privado. O diagnóstico é de Hannah Arendt: “A sociedade burguesa, baseada na competição, no consumismo, gerou apatia e hostilidade em relação à vida pública, não somente entre os excluídos, mas também entre elementos da própria burguesia.”

A atividade econômica passou a exercer supremacia sobre a vida pública. Os eleitores se distanciam de partidos, formando núcleos ligados ao trabalho e à vida corporativa – sindicatos, associações, movimentos. Eis a nova face da política. Esses espaços terão importância no processo decisório que vai eleger o novo mandatário-mor.

Infelizmente, teremos de conviver por bom tempo ainda com as rixas:  parlamentares se atracando em plenários, brigas de ruas entre militantes, propinas, apupos e aplausos.

O que fazer para limpar a sujeira que borra a imagem da política? A reengenharia voltada para o resgate da moral é tarefa para mais de uma geração. Primeiro passo: o homem público deve cumprir rigorosamente o papel que lhe cabe. Segundo: os que saem da linha e descumprem a lei serão punidos. Terceiro: revogam-se as disposições em contrário.

 

*Gaudêncio Torquato é jornalista, escritor, professor titular da USP e consultor político twitter@gaudtorquato - Acesse o blog www.observatoriopolitico.org.

Gaudêncio Torquato

Artigo

*Gaudêncio Torquato é jornalista, escritor, professor titular da USP e consultor político twitter@gaudtorquato - Acesse o blog www.observatoriopolitico.org.