Boa noite, Domingo 20 de Setembro de 2020

Rural

Exportações de carne bovina de Mato Grosso batem recorde histórico

Novos mercados e habilitação de plantas potencializaram as vendas externas do Estado

Pecuária | 13 de Agosto de 2020 as 16h 57min
Fonte: Thielli Bairros - Sedec MT

Foto: Wenderson Araújo - CNA Brasil

Os números de exportações de carne bovina em Mato Grosso são um termômetro que demonstra que o Estado e os pecuaristas estão trabalhando para ampliar cada vez mais mercados. De acordo com o Observatório do Desenvolvimento da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), em julho de 2020 foram exportados US$ 153,53 milhões, incremento de 42,3% em relação ao mesmo mês do ano anterior, um recorde histórico.

O Estado também se destaca como exportador de carne bovina do Brasil, somando US$ 911,33 milhões – 21,9% do total exportado pelo País no acumulado de 2020, entre janeiro e julho.

Em volume, as exportações de carne bovina alcançaram 35,67 milhões de toneladas, também o maior volume para o mês de julho na série histórica e 35% a mais em relação ao mesmo mês do ano anterior. Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, César Miranda, o trabalho de casa está sendo feito.

“Os pecuaristas mato-grossenses trabalham de forma profissional e sustentável, ganhando a confiança dos mercados internacionais. Plantas frigoríficas são habilitadas em Mato Grosso para exportar diretamente a estes mercados. O Estado dá o suporte para este negócio facilitando a logística, como a exemplo da GTA Eletrônica que o Indea MT disponibilizou desde o início do ano. Ou seja, estamos organizados para cada vez mais expandir fronteiras”, afirma.

A participação mato-grossense nos números brasileiros também foi expressiva no mês de julho, representou 22,2% do total do País. Os números do Observatório do Desenvolvimento demonstram que, enquanto as exportações totais nacionais cresceram 30,2% em relação ao mês anterior, em Mato Grosso o acréscimo foi de 42,3%.

Para o diretor de Operações do Instituto Mato-grossense da Carne (Imac), Bruno de Jesus Andrade, esse acréscimo se deu basicamente pelo aumento da demanda chinesa. “Desde o segundo semestre do ano passado, vem ocorrendo compra de grandes volumes de carne brasileira. A China tem um grande problema relacionado à peste suína africana que dizimou parte do rebanho e, por isso, o país começou a comprar mais carne suína, de frango e bovina do Brasil”, explica.

A China responde por 48% das exportações brasileiras, enquanto Mato Grosso eleva este percentual para 59% de exportações de produtos de carne bovina.