Bom dia, Sexta Feira 27 de Novembro de 2020

Polícia

Jornalista assassinado em MT disse à família que estava sendo ameaçado

Câmeras registraram o momento em que o jornalista foi executado dentro do carro dele

Peixoto de Azevedo | 19 de Novembro de 2020 as 11h 08min

O jornalista Edney Menezes, de 44 anos, que foi assassinado com tiros à queima-roupa dentro do carro dele na noite de domingo (15) no Centro de Peixoto de Azevedo, disse à família que vinha sendo ameaçado.

As câmeras de segurança registraram o momento em que o jornalista foi executado com tiros na cabeça por dois homens em uma moto em um cruzamento da cidade. Ninguém foi preso.

A irmã do jornalista, Maria Do Socorro Menezes, lamentou a morte de Edney. Essa foi a terceira perda da família neste ano. Luis Carlos, um dos seis irmãos do jornalista, foi morto com 12 tiros por envolvimento com drogas. A avó deles morreu com coronavírus (Covid-19) há três meses.

Edney trabalhou na campanha e assessoria do prefeito reeleito de Peixoto de Azevedo, Maurício Ferreira (PSD). Não há indício, por enquanto, de elo entre as atividades do jornalista e o crime. 

 “Ele falou que estava sendo ameaçado, mas não dizia por quem. Estava feliz. Trabalhando na campanha, mas tentava tirar porte de arma, já prevendo o que ia acontecer. Ele disse que ia morrer”, disse a irmã.

O comentário do jornalista, sobre as ameaças, foi feito há alguns meses. A irmã não acredita que a morte dos irmãos tenha relação.

Investigação

Horas antes de ser assassinado, Edney havia feito uma postagem em uma rede social comemorando o resultado das eleições municipais. A Polícia Civil, no entanto, descartou que o crime tenha motivação política e agora analisa as imagens.

Moradores chamaram a polícia depois de presenciarem o crime. A PM encontrou a vítima já sem vida dentro do veículo, um HB20. O celular e outros pertences dele foram deixados no local.

As imagens das câmeras de segurança foram recolhidas e devem ser analisadas na investigação da Polícia Civil. (Informações G1-MT).