Boa noite, Quarta Feira 12 de Dezembro de 2018

Geral

Curso vai apresentar tecnologia de reconstrução para peritos

Reconstrução facial forense em 3D poderá ajudar profissionais no reconhecimento de vítimas

Sinop | 08 de Abril de 2015 as 15h 00min
Fonte: Jamerson Miléski

Um curso bastante específico, voltado para área de medicina legal, será realizado em Sinop no dia 22 de abril. Embora seja aberta à qualquer pessoa, a capacitação será uma ferramenta extra para peritos e profissionais de Institutos Médicos Legais.

O curso é promovido pela Ebrafol (Equipe Brasileira de Antropologia Forense e Odontologia Legal), em parceria com a Faculdade Fasipe. O evento, nominado 1º Encontro Tecnocientífico de Perícia, trará 3 palestras e um oficina prática com 3 horas de duração.

O perito e coordenador regional da Politec Sinop, Leandro Valendorf abre o evento, apresentando as aplicações da tecnologia. O reconhecido designe 3D, Cícero Moraes, apresentará a tecnologia de reconstrução que já aplicou na elaboração de faces famosas, como de Santo Antônio e Maria Madalena, que tiveram seus rostos projetados a partir dos crânios. O terceiro palestrante é o principal parceiro de Cícero no desenvolvimento e aplicação das tecnologias de reconstrução facial forense. O coordenador da Ebrafol, Dr. Paulo Miamoto, apresentará noções sobre o reconhecimento antropológico dos crânios, que são o ponto de partida das reconstruções faciais. É através dessa análise que se determina a partir do crânio o sexo, idade aproximada e etnia.

Para Cícero Moraes, o evento será uma oportunidade de aproximar a equipe da Ebrafol dos profissionais que fazem perícia. “Através da tecnologia que utilizamos um perito pode aprimorar a leitura da cena do crime ou fazer um mapeamento mais preciso das lesões, utilizando a fotogrametria”, explica Cícero. O mais interessante, segundo ele, é que é uma revolução tecnológica extremamente acessível. “Estamos falando de uma técnica que requer um smartfone e um computador”, ressalta o palestrante.

Recentemente a técnica foi utilizada por Paulo Miamoto em um crânio de uma vítima de homicídio. O desafio era revelar o rosto para ajudar no reconhecimento da vítima. O resultado foi um sucesso. “A modelagem foi toda feita por ele, que domina a antropologia, mas não é um designer. Isso significa que qualquer um, de posse dos conhecimentos, conseguirá utilizar a técnica”, reforça Cícero.

O curso é bastante direcionado e terá apenas 30 vagas. Para quem tem interesse em conhecer o assunto, as 3 palestras serão mais acessíveis, com 120 cadeiras. O custo é de R$ 30,00 para peritos e R$ 50,00 para demais profissionais e estudantes.

COMENTARIOS