Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Quinta Feira 05 de Agosto de 2021

Economia

Setor de energia solar repudia suspensão de incentivos fiscais

Empresários do setor solar fotovoltaico avaliam como retrocesso econômico o PLC 53/2019

Tributando o sol | 04 de Julho de 2019 as 11h 28min
Fonte: Redação

Os impactos gerados pelo PLC 53/2019 do Governo do Estado, que pretende aumentar impostos em diversos setores produtivos, mobilizou diversos representantes e empresários do setor de energias renováveis fotovoltaica na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). O setor se reuniu com os deputados, para propor soluções e alternativas com relação à energia solar. Uma Audiência Pública para discutir a lei complementar também foi realizada, com empresários, trabalhadores e representantes de diversas entidades.

O presidente executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), Rodrigo Sauaia, apresentou propostas para que se corrija a suspensão das isenções sobre a geração solar, para não afetar a atividade, que de acordo com ele, são imprescindíveis para a viabilidade da geração distribuída solar fotovoltaica no estado. “Inúmeros estudos mostram que a fonte solar fotovoltaica contribui de forma contundente no desenvolvimento econômico de uma região local, com geração de emprego e renda, desenvolvimento de novos serviços, criação de manufatura e inovação tecnológica”, ressalta Sauaia.

O Diretor de GD e Energias Renováveis do Sindenergia – MT, Carlos Rocha, ressaltou que Mato Grosso hoje é o único estado do Brasil que corre o risco de ficar de fora dos incentivos e isso representa um grande risco para a economia do estado. Segundo Rocha, Mato Grosso possui 1,2 milhão de unidades consumidoras (UC), nesse volume, somente 4.080 UC são de geração solar fotovoltaica, o que é pouco. “Todo o setor de energia solar do estado é de pequenas e médias empresas, que empregam de quatro a 20 funcionários. Já geramos 2.500 empregos diretos, fora os indiretos. O país tem 40 indústrias do setor fotovoltaico, então energia solar não é só módulo, placa e emissor, energia solar é geração de emprego é geração de riquezas”, afirmou.

Carlos Rocha acrescentou ainda que o argumento do Governo, de que há uma perda na arrecadação não procede, uma vez que a média hoje familiar de quem adquire um gerador solar é de R$ 2.800. “Portanto energia solar não é utilizada por ricos, é a classe média e a classe assalariada que adquire. Neste momento o que o setor quer é encontrar um meio termo para que no futuro, quando as indústrias estejam estabelecidas, aí voltamos a discutir a suspensão de incentivos fiscais”, disse.

O Presidente do Sindenergia- MT, Eduardo Oliveira, acrescentou que o ICMS é um imposto de circulação de mercadoria ou serviço e que no caso da energia solar não há essa circulação já que quem produz também consome, então não há troca de propriedade e por isso é errado tributar. “Mato Grosso tem que ter a sabedoria de encontrar outras saídas e não essa de tributar arrecadação. A gente acredita que no final das contas não vai aumentar, vai diminuir, porque nós vamos perder empregos de qualidade”, pontuou.

 

Propostas apresentadas

- Emenda parlamentar pela supressão da revogação do Artigo 130-A do Anexo IV do RICMS.

- Manutenção da participação de Mato Grosso nos seguintes Convênios ICMS: nº 101/1997 e nº 16/2015.

- Incorporação de geração distribuída solar fotovoltaica nos prédios públicos do Governo do Estado de Mato Grosso.