Bom dia, Sexta Feira 27 de Novembro de 2020

Economia

Pesquisa revela oito áreas que vão ‘bombar’ em 2021

BOAS PERSPECTIVAS | 24 de Outubro de 2020 as 11h 38min
Fonte: Priscilla Silva/Estadão Mato Grosso

Foto: Reprodução

O ano de 2021 trará oportunidades especiais para algumas carreiras. O impacto causado pela pandemia deste ano trouxe mudanças abruptas e influenciará as demandas do mercado no próximo ano. Pesquisa feita pela empresa Robert Half, especialista em recrutamento e seleção para cargos de média e alta gerência, destacou no recém-publicado estudo anual ‘13ª edição do Guia Salarial’ quais serão os perfis profissionais mais procurados e os cargos com melhores remuneração para 2021.

Algumas atividades econômicas continuarão prevalecendo sobre as outras no primeiro semestre do próximo ano. Por isso, as mudanças devem ficar mais evidentes no semestre seguinte, dizem os pesquisadores.

“A tendência é de que permaneçam em alta os setores de saúde, agronegócio, infraestrutura, logística e tecnologia – este último segue aquecido há tempos e ganhou ainda mais força diante da aceleração da transformação digital impulsionada pela pandemia”, diz Fernando Mantovani, diretor geral da Robert Half.

Entre os cargos, salários e requisitos que ficarão em alta estão oito áreas de atuação da Robert Half: Finanças e Contabilidade, Engenharia, Jurídico, Vendas e Marketing, Mercado Financeiro, Seguros, Recursos Humanos e Tecnologia.

Desse conjunto, a área de vendas e marketing ganhou grande destaque logo após o anúncio da pandemia. A necessidade de concentrar atividades como comércio e serviços no ambiente on-line virou desafio para as empresas.

“A pandemia fez com que essas profissões [Vendas e Marketing] fossem mais valorizadas e reconhecidas. São gestores de tráfego, social media, design gráfico, e-commerce que atuam com demandas de criação de conteúdo e imagens, anúncios, telemarketing. Para esse grupo, acredito que este ano foi o ano da plantação e que 2021 será o ano da colheita, tendo em vista que muitas pessoas abandonaram a CLT para se dedicarem às mídias sociais e isso é só o início do que há de vir”, relata Laryssa Gonçalves Barbosa, que é especialista em empreendedorismo e marketing digital.