Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Terça Feira 03 de Agosto de 2021

Artigo

Benefícios do georreferenciamento em imóveis rurais

14 de Fevereiro de 2019 as 13h 41min

No início da década de 2000, o governo federal promulgou a Lei n. 10.267 como uma tentativa de eliminar a grilagem de terras no Brasil e, a partir daí, tornou-se obrigatório o mapeamento de imóveis rurais para inclusão no Cadastro Nacional de Imóveis Rurais (CNIR). Com isso, o proprietário passou a ter que fazer o georreferenciamento do imóvel para alteração de matrículas, como mudança de titularidade, remembramento, desmembramento, parcelamento, modificação de área e alterações relativas a aspectos ambientais.

Fundamental para a organização no campo, o georreferenciamento é uma medição feita com aparelhos de alta tecnologia, onde é possível estabelecer os limites do imóvel com alto grau de precisão, identificando as Áreas de Preservação Permanente (APPs), reserva legal, lavouras, pastagens, entre outros. Segundo o Sistema Nacional de Cadastro Rural (SNCR) do Incra, o Brasil possui 5,6 milhões de imóveis rurais e, apesar de a grande maioria ainda não serem georreferenciados, essa padronização permitirá controlar com maior eficácia toda a infraestrutura rural do país.

O proprietário deve apresentar a planta georreferenciada para a emissão de uma certificação que comprove que o seu imóvel não se sobrepõe a outras áreas, evitando assim qualquer tipo de conflito. O trabalho do georreferenciamento é meticuloso e deve ser feito por profissionais com registro no Conselho de Engenharia e Agronomia (Crea) previamente credenciados pelo Incra. Envolve levantamento de dados, cálculos, análises documentais, desenhos e projetos que devem estar em consenso com o disposto na legislação federal e na Norma Técnica para Georreferenciamento de Imóveis Rurais do Incra.

Embora, a princípio, o georreferenciamento possa parecer mais um entrave burocrático criado pelo governo, o procedimento traz grandes vantagens aos proprietários das terras. Entre os benefícios, destacam-se a valorização do imóvel, a obtenção de financiamentos bancários e a contratação de seguro rural. Além disso, permite que o proprietário conheça de fato sua propriedade, gerando melhor rastreabilidade no campo, já que com informações precisas sobre o posicionamento e as dimensões da área é possível controlar a lavoura de maneira mais eficiente.

Sem contar que tanto os órgãos quantos os proprietários terão maior segurança, pois assim que o imóvel receber a certificação não será possível ocorrer problemas relacionados a polígonos sobrepostos. Ou seja, ninguém poderá obter certificação de um polígono que já está de acordo com a lei atual. Enfim, a situação cartorial e cadastral da área estará atualizada e, com base nesses dados, o gerenciamento das informações ocorrerá de forma mais efetiva junto ao cartório, Incra e Receita Federal.

 

Irajá Lacerda, é advogado, presidente da Comissão de Direito Agrário da OAB/MT e da Câmara Setorial Temática de Regularização Fundiária da AL/MT - iraja.lacerda@irajalacerdaadvogados.com.br

Irajá Lacerda

COMENTARIOS